terça-feira, 5 de maio de 2015

Ekede - A Guardiã do Mistério

Ekede - A Guardiã do Mistério
Sou mulher
Sou guardiã
Sou filha
Sou Líder 
Em um dia comum
O céu me fez especial
Carrego a palavra do Orixá
Que que me determinou Ekede (Cota, Iyáorobá)
Me fez mãe
Me fez serva
Muitos dizem que não sentimos nada
Mas eu digo,
Sinto a presença do sagrado,
Não pelo transe,
Mas pelo amor
O adjá não me faz ser quem sou
E sim a minha história
As noites que passei acordada
Os dias que chorei calada
A palavra
A compreensão
O carinho
Muitos pensam que é fácil
Outro dizem que tenho o rei na barriga
Não! Tenho o rei na minha cabeça
Pois só com ele, o Orixá
Sou capaz de renascer todos os dias
De tirar do fundo da minha alma a força
Para jamais duvidar
Mesmo encontrando o divino
Através do humano
Não exijo respeito
Por mim
E sim por aquilo que eu defendo e guardo
Sou uma protetora do Céu
Sou pequena perante os deuses
Sou grande diante dos obstáculos
Sou Ekede
E isso o mundo não pode me tirar!
- Babá Diego de Odé -

Poema: Passos e Lágrimas no Candomblé

Passos e Lágrimas no Candomblé
Entrei por amor
E no Candomblé encontrei as respostas para dor
Nunca pedi
Apenas agradeci
Tive alegrias
Tive tristezas
Mas jamais desisti
Acreditei no Axé
Na força dos meu Orixás
Me contagiei pela alegria
Me decepcionei com os homens
Mas tive minhas lágrimas enxugadas pelos deuses
Abaixei a cabeça
Ouvi
E mesmo não aceitando
Concordei
Vi milagres
Vi a Vida protegendo seus filhos
Vi a Morte dançando entre os vivos
E como se tudo não fosse o bastante
Me encontrei com o Passado
Não aceitei meias verdades
Mas aprendi a compreender
Pois o outro também faz parte de mim
E somos estrelas,
Nascendo e morrendo, todos os dias
A importancia é passageira
Assim como essa estrada
Sou homem
Sou filho de um Deus
Sou eterno quando estou em comunhão com a natureza
E a natureza se torna mortal quando está em mim
Amor, Paz, Luta
A Vida me tirou pedaços
E o Orixá mesmo assim
Nunca desistiu de mim
Esse é o Candomblé
- Babá Diego de Odé -

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Qualidade de Ogum: Ogum Ja

Existe uma grande polêmica sobre essa qualidade de Ogum, pois a palavra “Ja” (Aja) aparece no dialeto yorubá como “guardião” e, também, como cão, sendo a denominação correta “Ogum Ja”: aquele que recebe cães como oferenda pois, como sabemos, na África o cão do mato é dado em sacrifício à algumas divindades.
Em sua liturgia, encontramos a lenda onde ele aparece como aquele que acompanha Oxaguiã e fornece ao seu povo as ferramentas agrícolas, o que faz a produção de inhame ser maior, garantindo fartura e prosperidade ao povo de Oxaguiã. Em outra lenda aparece ao lado de Jagun e Oxaguiã, ajudando-os a conquistar novos reinos. 

Geralmente ele sempre é acompanhado por Iemanjá e Oxum e, conforme descrito acima, Oxaguiã. Como Orixá guardião e ligado aos Orixás funfuns, usamos em sua roupa a cor branca, azul marinho e verde folha, além  das folhas de mariwô desfiadas, que o acalma. 

Desmotivação x Candomblé

Durante a nossa estrada religiosa, vamos passar por várias fases, da empolgação a desmotivação, o que é muito normal, aliás não é apenas na fé, em todas as áreas, mas quando a falta de vontade bate forte é hora de parar, rever os nossos conceitos e buscar força.
A partir do momento que nos iniciamos, o Orixá já não é mais uma opção e sim uma condição, será uma vida de altos e baixos, de amores e desamores e como tudo que queremos que dê certo, vamos precisar de compromisso e muita dedicação, pois não importa o que aconteça, o Orixá sempre estará do nosso lado, olhando pelo nosso caminho.
Já passei por muitas fazes nessa estrada do Candomblé e cada uma me ajudou a ser melhor, cada história triste me trouxe uma lição preciosa e hoje eu uso a experiência para orientar a todos que me procuram. Tropeçamos, erramos, duvidamos, mas no final entendemos que a Fé é o combustível da vida e que o Orixá é a coisa mais preciosa que existe em nós e por ele, vale tudo.
Desejo uma ótima semana e não perca sua fé, problemas vem e vão, tempestades passam e a vida sempre se renova!
Babá Diego de Odé
11 4141-0167

Testemunho de Fé e Agradecimento

Em janeiro de 2016 tivemos um grande Candomblé de Osalá, com muitas obrigações e a casa ficou pequena para receber todos os filhos e amig...