segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Fiscais do Rumbè

Seja qual for a casa de candomblé ou nação, sempre vamos ver aquelas pessoas que ficam o tempo de olho no rumbè, educação de axé, dos irmãos, seja para cobrar um paó, uma benção ou para lembrar o iyawò de andar com a cabeça baixa. No meu período de esteira, eu costumava a chamar esses irmãos de “fiscais do rumbè”, afinal toda oportunidade que encontravam, já estavam lá, cobrando e muitas vezes dando “baixas”.
Acredito que uma religião tão cheia de detalhes precisa sim de irmãos que estejam dispostos a cuidar e zelar pela hierarquia, mas nunca podemos esquecer do principio básico de qualquer sociedade civilizada, que é a educação e o respeito ao ser humano. Quando se humilha alguém, perde-se o respeito dele e com isso podemos estar tirando um omo-Orixá do seu rumo espiritual.


Meus queridos “fiscais do rumbè” não é feio querer que a religião seja levada a sério, o que é feio é cobrar aquilo que não se ensinou, é impor sem explicar o porquê ou ainda pior, ditar ao outro o que nem vocês mesmos fazem.

Pensem nisso!


quarta-feira, 6 de novembro de 2013

O que é a fé?


A fé é um lugar onde buscamos reduzir o sofrimento, aumentar a felicidade e dividir nossas dores. Temos que saber que não existe caminho para a fé, a fé já é um caminho e quem decidir percorrer essa estrada terá que saber que antes de colher, terá que plantar, aprender a agradecer toda graça, por menor que seja e entender que são os pequenos sacrifícios diários que te aproximam do seu Deus.


Nós do Candomblé, estamos na maioria das vezes, buscando mostrar uma “sala bonita”, roupas luxuosas e bem ornamentadas, porém nada disso tem sentido se pelo menos o principio básico da iniciação no culto, que é o resgate e despertar do seu Orixá mediante a humildade, amor fraterno e respeito, não forem respeitados.

Antes de ofender o irmão, lembre-se que ele faz parte de você, antes de virar as costas para o Orixá, pense na mensagem que ele tentou te ensinar e quando colocar a cabeça no confortável travesseiro, se recorde do chão duro e da esteira gelada que repousou o seu axé e reflita qual sentido teve tudo aquilo que você passou dentro do quarto de santo.

Resgate a humanidade que existe em você!

Sentidos do Candomblé


Quero chegar na Casa de Axé
E rever meus irmãos,
Sentir minha família 

Sentir que dentro daquele pedacinho da África 
Somos protegidos do mundo lá fora
E que posso encontrar o que há de divino dentro de mim

Quero colocar meu branco
Senti o frio do banho de ervas
Senti o calor do meu Orixá

Ouvir conversas intermináveis
Sobre o antes e o agora
Ouvir sobre Axé

Quero ouvir o som dos atabaques
O ritmado pilar das ervas
Quero sentir a abraço apertado dos meus mais velhos

Saber e Viver se misturam
Axé e Amor se condensam
Vida e Morte se abraçam

Isso é axé!

domingo, 3 de novembro de 2013

Transformação - Movimento Necessário


A vida é feita de ciclos, de começos e recomeços, momentos bons e ruins e nós que somos léssè Orixá, por lidarmos com a energia do Axé, somos ainda mais conscientes desses movimentos que são necessário, e devemos usar esse passo a frente para melhorar nossa existência, sabendo que para cada tombo que levamos, existirá sempre uma mão para nos levantar e exaltar, em nossas vitórias, o nome do Orixá.


Nos últimos tempos a minha fé vem sendo testada, assim como minha crença no ser humano, mas o que passou, passou e o que eu posso fazer é não cometer os mesmos erros, nem me deixar levar pelo coração. Odé é meu Orixá, meu guia nesse mundo e ele sabe o que é melhor para o meu caminho.

Meu papel é ser babálorixá, zelar pelo Orixá e consequentemente pela vida daqueles que fazem parte do Egbé L’ajò, mas como tudo, eu também tenho um limite. Ficar se desgastando com confusões pequenas, disse me disse e frescura, eu não vou! 

Quer ser filho do Egbé L’ajò? Se esforce.
Quer sucesso? Vá a batalha.
Quer respeito? Conquiste.
Quer ser amado? Se deixe ser amado.

A vida te dá um...dois...três tapas na cara, se você não se levantar e se defender, ela nunca vai parar de tentar mostrar que os problemas vem para serem superados e com isso possamos crescer e evoluir. 

Buscar no Orisá a força para recomeçar

Durante a vida vamos passando por momentos onde nada tem explicação, são crises que vem como tempestades que param ...