sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Qualidade - Onira - A Rainha de Ira

Onira

Bom dia a todos,

Sexta-feira, dia dos orixás funfuns, mas o melhor mesmo é que o final de semana está chegando. E hoje vou falar sobre uma qualidade, que todo mundo me pergunta muito sobre, que é Onira.

Onira, tradução em yorubá: senhora ou rainha de Ira.

Esse caminho está ligado ao culto de Oyá, porém é um orixá próprio, que foi atribuído ao culto de Oyá. Onira é companheira de Opará, contudo aparece algumas vezes na figura também de mãe de crianção de Logun, porém acredito que seja Logunere, quem criou Logun, e não Onira. Senhora dos ventos, Onira é dona do vento que faz curva, por isso alguns fundamentos desse orixá são feitos em barrancos e falésias. Associada a água, por sua ligação com Oxum, Ogum e Oxaguiã.

Onira e Oxum

Onira era um bela jovem, sua beleza encantava a todos, porém isso incomodava Oxum, pois Onira se vangloriava de seus dotes o tempo todo. Um belo dia Oxum, manda Exu ir até um aldeia muito longe, próxima a costa, pois ela ouviu falar que existia um espelho, que ficava escondido entre as areias brancas de Olokun, esse espelho na verdade era uma concha que refletia o lado mais escuro e escondido de alguém. Então assim fez Exu, que demorou dias em busca do lendário espelho. Então ele retornou para o reino de Oxum e entregou a ela a peça. No mesmo dia Oxum chamou Onira para que pudesse passar um dia com ela, e então as duas conversaram, comeram e ao cair da tarde, Oxum disse a Onira, que Exu havia lhe trazido um espelho que demonstrava a verdadeira beleza, Onira ficou super curiosa de pediu a Oxum para ver , e então Oxum, muito esperta deu a ela o objeto, nesse momento Onira se viu feia, deformada. Triste e envergonhada ela saiu correndo e foi chorar a beira de um riacho, vendo aquilo, Olorun fica penalizado e decide dá uma lição em Oxum. O senhor do orun, então funde o espíritos das duas, onde uma dependeria da outra para tudo, e que uma não comeria sem a outra, e assim até hoje, Oxum Opará e Onira caminham juntas, inseparáveis.

Onira e o rei de Irá

Na cidade de Ira, morava o Alafin Ira, ou o rei de Ira, que tinha muitas esposas, porém não tinha amor por nenhuma delas, as achava burras porém elas eram ótimas tecelãs, e mantiam a economia do reino.
Então ele chamou seu Conselheiro e pediu que fosse a todas as aldeias atrás da mulher mais bela e prendada. Então o Conselheiro seguiu de aldeia em aldeia atrás da suntuosa esposa que Alafin tanto queria, após andar muitas léguas, o Conselheiro já com sede, viu de longe uma jovem, carregando na cabeça uma trouxa, então ele correu em direção a ela e pergunta se ela tem um pouco de água para lhe dá, a moça no mesmo momento tira de dentro da trouxa, uma cabaça com um pouco de água, vendo a atitude doce e gentil, o Conselheiro consegue vê que a moça era nobre, além de bela, porém só faltava o principal, o fator que a diferenciasse das outras. Ele decide então conversar com ela, e a leva imediatamente para a cidade de Irá, chegando lá, todas as canditas mostravam seu dotes ao rei, e quando chegou a vez da moça, ela se apresenta ao rei:

 - Sou aquela que será a rainha de Ira, sou filha do vento e da água.

 - E tú o tens a mostrar? - Diz o rei sem muita paciência.

 - Sei que o povo de Irá é famoso por seus tecidos de cores diferentes, porém não conseguem fazer todas as cores - Diz ela de olhos baixos

 - Como ousa dizer isso, não existe no mundo quem consiga reproduzir as cores que existem na natureza.

 - Sim, existe alguém capaz disso! - Fala a moça.

 - Então mostre!

 - A moça tira de sua trouxa o camaleão, e o coloca em cima de sua roupa e o animal então se torna da mesma cor, e assim em tudo que ele encosta.

O rei fica maravilhado com a inteligência da moça, e a torna a rainha de Ira, sendo chamada a partir daquele momento de Onira.


Roupa e Aparamentas

Onira pode usar rosa com dourado, assim como azul claro. Suas aparamentas são delicadas e não possuem cores fortes, usa espada, e abebé, e também tem o direito de usar o eru, pois é uma rainha. Suas indés podem ser alternadas de cobre e douradas.

Seus filhos

Seus filhos possuem assim como orixá, características tanto de Oyá quanto de Oxum, são fortes e determinados, românticos. São muito prestativos e fazem um pouco de cada coisa. Tem grande capacidade de adaptação e também ótimas mães ou pais. São doces e se magoam muito fácil, rancorosos. Cheios de iniciativa, vão a frente, mesmo que todos digam que não vai dá certo, eles vão e fazem. São ótimos chefes, porém tem dificuldade em receber ordens. São super vaidosas, e tem muito bom gosto. Amam a família e procuram sempre ajudar a todos.

Um grande abraço e até a próxima






















5 comentários:

HUGO TY OSUN disse...

baba e verdade que onira come omolokun e que no lugar dos ovos
coloca-se acarajes

Anônimo disse...

Sua Benção Diego, estava na casa do Pai Fabiano, e não consegui falar com você e procurei seu nome do google, quando tiver toque na sua casa eu quero ir, gostei muito de vc. Bjjjuuuuuuuu Alexandre de Logun.

Anônimo disse...

ONIRA, O VENTO QUE BRINCA COM A AGUA, SOU FILHA DE YÁ ONIRA E ELA É TUDO PARA MIM. ADORRRRRREIII SABER DE MAMAE

Anônimo disse...

Adorei saber mais sobre minha orixá que tanto amo. Ela é a minha vida. Devo tudo a ela.

Anônimo disse...

Adorei o texto, gostaria muito de compartilhá-lo no face... com os devidos créditos à Yá, claro...